21/02/2008

auto-retrato

image at haloimages.com


o pai pegou-lhe ao colo

a mãe ergueu-lhe os pés do chão



quando aprendeu a andar

mesmo olhando-a nos olhos

nunca mais a conseguiram ver

8 comentários:

Carla disse...

há olhares e olhares
bom fim de semana

Teresa Durães disse...

apenas isto: lindo!

poetaeusou . . . disse...

*
non
,
quando nemésio, poemou:
,
Nem o abstracto nem o concreto
São propriamente poesia.
A poesia é outra coisa.
Poesia e abstracto, não.
,
seria contigo ???
,
jino de carinho
,
*

paper-life disse...

Obrigada, amigos. Amanhã (se a minha cadela que tem estado com cio me deixar paz à noite) eu passo a visitá-los. ;)

Beijos.

© Piedade Araújo Sol disse...

palavras singelas que encerram tanto saber...

PiresF disse...

Que todos assim ganhassem asas, era bom sinal.

Gostei. Simples, objectivo e desprendido. Onde simples, nunca quererá dizer, fácil, e arte, é também isso. Muito isso.

Abraço.

A.Tapadinhas disse...

O pai ergueu-a do solo
elevou-a tão alto
que até a luz do sol
se escondeu muma nuvem.

Beijo.
António

gabriela r martins disse...

regresso ao rio

em mar


.
um beijo ,quemadre