05/05/2009

perguntem à morte


Artist Jan Piller


perdida num canto

quase. quase morta. num canto. esquecida.

sem rumo. sem eira. sem beira. sem rio a correr-lhe aos pés

só um mar dançante. batendo. definindo covas

picture by pazzodicinema on flickr

abrindo-lhe fendas cirurgicamente

onde só o ar se for leve e são, dará em caber


e tudo se apaga. rocha atormentada. terá de viver ?

tem. ainda tem. o tempo é assim. dá tempos à vida que


ninguém entende.

e porque que é que a Vida, coisa de outros Mundos

se há-de entender?!

10 comentários:

gabriela rocha martins disse...

não pergunto .ponto final .não pergunto ,porque não gosto dela ,porque sei ,à partida ,que a resposta que me daria seria contrária à que eu quero ouvir .somos ,uma e outra ,dois espíritos de contradição assumidos


.
um beijo ,quemadre

Lmatta disse...

Belo parabéns
beijos

simplesmenteeu disse...

Deixo o olhar na dança das marés
e fico num canto... que se perde de mim...

Um beijo

Mateso disse...

é a sombra da vida, sempre do outro lado do corpo.
Bj.

bettips disse...

Querida Madalena, das praias e águas: acho que fomos feitos não aos pares, mas à dúzia...assim nos encontramos, uns "alguém" em Abris, em Maios. Contados por os dedos da mão, também unidos... não nos surpreende a escassez.
Somos um pouco como As Parcas, fiando e torcendo.
Um beijinho a ti!
(ainda bem que (me)apareces...)

Oliver Pickwick disse...

Quase gótico, Madalena! O lado belo do escuro.
Um beijo!

della-porther disse...

aproveito o amanhecer quieto e venho ouvir a água.
deixo um beijo meu.

della-porther

Madalena disse...

Olá.

Obrigada pela persistência em tempos de vazio, meu.

Beijos a todos.

Tchi disse...

Um olhar sobre as "costas" da vida que a "barriga" é o que se vê normalmente.

Beijinhos.

Madalena disse...

Obrigada. :)

Beijinhos Tchi.