14/11/2007

na boca

DeWeese Photographic Arts


embrulho-me em mim mesma como um gato na noite
não olho já em volta. estou cercada a frio e abandono
nada tem sequer a concisa dor do açoite
não me sobra ao menos o socorro do sono

lateja-me na cabeça o sangue, então há vida sim
não fora isso e não tinha a certeza de estar entre os demais
onde me abandonaram até que me esquecesse de mim?
não quero recordar. quero viver sem penas como os animais -

na boca da noite na boca do medo na boca da morte
na boca do grito na boca da fonte na boca do vento
na boca do fim na boca do riso na boca da sorte
na boca do sexo na boca sem nexo da boca do tempo.

9 comentários:

della-porther disse...

paper

Viver da "boca da noite à boca do tempo".
gostei muito do ritmo desses versos.

beijos
e um excelente fim de semana

della

un dress disse...

muito belo poema!!


de tantas bocas pra fazer uma só fome...





abraÇo.beijO

Sophiamar disse...

Creio que � a primeira vez que por aqui passo. Gostei da estrutura do poema. As met�foras e os outros recursos expressivos, enriqueceram-no bastante.
Beijinhos

Klatuu o embuçado disse...

Belo poema.

aramis disse...

Como sempre... lindo!
Passei tambem para te dizer que sem autorização prévia, te roubei uma fotografia e coloquei no meu blog. Desculpa mas não resisti pois acho que para o assunto que é, fica mesmo bem.
Beijos e bom Domingo para ti.

Fuser disse...

paper


uma boa semana
e um beijo

Fuser

bettips disse...

Na boca do rio, o mar.
Águas sempre diferentes.
Podia ser um maestro de música tua, podia... E ser Primavera ou Outono, podia...
Beijinhos, menina!

paper-life disse...

Obrigada Minha Gente: A Vossa simpatia vale o risco de escrever e deixar isso à vista de todos.
Beijos e boa semana.

PS- Bem vindo ao grupo, Klatuu. :)

日月神教-向左使 disse...

.................................................
.