11/10/2007

amando a vida.


    image by Geoffroy Demarquet

    reergo-me.

    tem de ser hoje ainda. não há tempo que pare e nada vale o absurdo de o perder.

    a caminho do rio, manhã escura ainda, pergunto-me onde foi que me afastei da linguagem que encontro quando saio da água e subo a margem até à voz dos outros. pergunto pelo método de perguntar. não que me interesse já o onde, o quando. sei que é bom que tenha acontecido.

    volto de cabeça cansada de os ouvir. que loucos são tão cheios de certezas!

    - não há nada de certo além da morte.

    grito com as mãos em concha para o leito do rio que me conhece. oiço-lhe o murmurar aquiescente. sabe bem.
    ainda que muitos reconheçam no meu grito uma verdade (para alguns parcial), seguem na vida como se o não fosse. estômagos cheios de certezas. ganham diabetes de tanta adocicada certeza para não pegar a vida pelos cornos.

    sacudo os cabelos a atirar fora os restos que trouxe da viagem-pesadelo à vida deles. vejo cair o lodo que se lhes prendera. sorrio. aliás hoje já despertara a sorrir, mas vieram mais vozes distorcidas a querer puxar-me lá para trás, para a morte triste. a morte dos sonâmbulos.

    dou um salto e mergulho. que bom a água fresca a colar-me ao corpo os trapos que ainda não tirei. porque não se pode falar nú com essa gente. não se pode sequer ser. não se pode. não se. não.

    amor, voltei!

    4 comentários:

    della-porther disse...

    gosto muito dos retornos, são voltas por cima e a alma vem lavada, renovada.fortalecida.
    vim aqui esperando encontrar exatamente isso. sabia eu que o teria.

    bjs
    della-porhter

    poetaeusou . . . disse...

    *
    n�o se pode. n�o se. n�o.
    ,
    triste realismo,
    porra, para "isto"
    *
    maresias cristalinas,
    *

    legivel disse...

    ... desprevenido, ainda cheguei a molhar os sapatos quando aqui entrei. Mas não tem mal, que o dia hoje está de sol aberto e hão-de secar num instante.
    Por outro lado, gostei de te ver regressar tão afirmativa e na posse de todos os teus sentidos. Regressos desses, são sempre de aplaudir e... repetir. As vezes que te der na vontade.

    óptimo domingo com muitos sorrisos!

    Madalena disse...

    Um obrigada a todos pela visita. :)

    (Legível, que bom ler-te! :) )